Das linhas que quero te escrever

Esse texto, assim como muitos do que ando escrevendo, provavelmente se dividirá em duas partes. Tenho problemas pra expressar em espaços curtos a quantidade de coisa que tenho pra te dizer.

Mas, diferente dos muitos que escrevi, não é sobre algo presente e sim um desejo futuro. Um desejo motivado por ti e todas as linhas que o teu sorriso inspira por aqui. Um texto sobre você e as palavras que quero escrever.

Quero pintar uma história contigo. Pegar as cores da tua maquiagem, tão brilhante nessa época do ano e colocar um pouco de ti em cada um dos meus textos. Fingir que sou artista e pincelar nossos contornos por aí. Deixar alguns pingos teus espalhados pelo meu lençol, colorir a tua bochecha – e um pouco do pescoço – de vermelho e, se a tua timidez permitir, deixar um pouco das nossas cores esparramadas pelo box do chuveiro.

Embora não tenha muito vergonha reconheço limites e admito que a última frase foi só pra te deixar sem graça. Não que não possa se tornar convite, mas entendo que tudo tem seu tempo, e isso a gente tem de sobra.

Por isso espero que as linhas sejam extensas e bem pontuadas, assim como os teus beijos, que muito mais do que arrancar suspiros, me deixam com um gostinho de quero mais e saudade no olhar. Saudade também sinto algumas vezes durante a semana, mas nunca te conto, porque tento bancar o difícil e não dar muita moral pra você. A questão é que isso fica só na tentativa, já que tão inevitável quanto a chuva que irá cair hoje, são os convites às quintas feiras para sairmos sexta ou sábado.

As linhas serão reflexo desse desejo inexaurível que aumenta conforme tua presença torna-se cada vez mais constante sob meus olhos. A ultima linha ficou complexa e talvez seja até necessária reler.

A intenção era que essa parte parecesse um pouco você.

Um pouco de você é o que quero nas linhas que quero escrever.

E talvez elas fiquem repetitivas, porque se juntar cada linha minha e comparar vai dar pra ver, que tem mais você que ponto e vírgula. Mas diferente de Clarice, não quero enriquecer e não vejo problema algum em criar conteúdo sobre uma pessoa só.

Espero que não se importe, mas nas linhas tentarei desmontar tuas camadas, são tantas que às vezes juro estar falando com pessoas diferentes, você é de dias e as linhas tendem a refletir isso, dos dias mais frios deixo minha mente viajar e encontrar refugo no passado mais quente, nos dias mais calorosos as linhas vão escrever o presente. E as camadas mais finas, desmonto quando a porta fechar enquanto deito ao lado do teu corpo em branco, na minha cama ou em algum sofá.

Das linhas que quero escrever, espero que se pareçam um pouco com você. Não só em densidade, mas também em beleza, por isso não estranhe se as linhas daqui pra frente começarem a se rebuscar, são as palavras que busco pra definir algo que não consigo explicar, a tua capacidade de me desmontar com um olhar.

As linhas que quero escrever, espero que sejam as mais belas que teus olhos venham a ler. Porque foi assim que minhas linhas, e um pedaço dos meus dias, ficaram depois de te conhecer.

@brunoamador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s