A Primeira Vez Que Te Vi

Ao menos uma vez, todas as vezes que te vi podiam me lembrar a primeira. Aquela vez que ninguém esquece e custa tirar da cabeça. Aquela mesma que você que está lendo sabe como é. Quando você a vê e sabe que a paz cansou de correr e parou ali pra descansar. Eu a via como um ponto de centro perfeito: ela mantinha o mundo em equilíbrio. Era a melhor em seu discurso, grande conhecedora dos mundos, bilíngue, trilíngue e não sei quantos mais ingues você conseguir imaginar. Uma boca tão perfeita não poderia falar menos de 3 línguas, não é possível.

Aquele olhar de canto que me deu, aquele foi o ápice de minha loucura de alguns segundos. Quando pequenos olhos se mostram tão perfeitos que podem ser considerados portais pra uma outra dimensão, uma em que eu gostaria de ser sugado para dentro, mesmo sem ter nem ideia do que me esperaria e do que seria meu futuro. Eram duas janelas de mármore escuro, onde um passarinho faria quantos ninhos conseguisse apenas para que seus filhotinhos nascessem no melhor dos picos. Era a felicidade de uma lágrima que cairia de uma vista bela, e conseguiria alcançar o final de suas bochechas sem nenhuma dificuldade, devido a sua pele lisa como uma seda fina.

Eu nem te conhecia, não sabia seu nome, não sabia endereço, não sabia telefone. Não sabia quem era sua mãe, nem seu pai (mas já os pensava como meus sogros). Não conhecia seu cachorro que mais tarde se mostraria viciado em pular no meu chinelo. Não conhecia seus amigos, muito menos seu ex. Não conseguia imaginar quais seriam seus medos e fraquezas, e nem passou pela minha cabeça que você tivesse alguma coisa desse tipo. Você era minha Diane Young e eu não conseguia pensar em mais nada a não ser nas trilhas sonoras que embalariam nossas noites mais belas.

Eu não despertei. Demorei demais, na verdade. Foram segundos de olhares trocados, de deduções e de novas experiências, mas não te conhecia e aquilo já bastava. A gente sempre se acha que alguém pode ser tão perfeito.

Por favor, me traga de volta essa imagem de verão vazia, onde minha mente parou por alguns segundos pra dar total espaço a sua grandeza e veracidade. Traga de volta o olhar que me deu esse dia, com todos os seus mistérios. Me desconheça pra me conhecer novamente depois. E faça a nossa experiência voltar no tempo. Porque não te conhecer e fazer n ilusões de você pode ter sido a melhor coisa que aconteceu na história das histórias de amor.

Lucas Fiorentino – clique para me conhecer melhor.

Curta nossa página ! E se você tiver um nos siga no tumblr !

Também estou no Instagram como @lucasfiore_

Se você tiver alguma crítica, sugestão, elogio ou só queira falar conosco, mande um email para umquartodepalavras@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s