550 palavras para você

Ei magrela! Sei que sempre te prometi um texto, inteirinho seu e pra mais ninguém, dava desculpas, falava que não tinha tempo ou inspiração. O que era mentira, tempo eu tenho de sobra ultimamente e não é preciso inspiração para escrever algo sobre você, sozinha você já é poesia. O que eu tinha era muita preguiça, teria que sentar em frente ao computador e ficar alguns bons minutos escrevendo e acabou de sair a 4ª temporada de House Of Cards, não deixaria minha cama por nada nesse mundo. Mas como cansei de você me chamando de preguiçoso e acabei a temporada da bendita série, resolvi tomar coragem e escrever.

Não sei se você, percebeu, mas ultimamente eu estou mais calmo, mais sereno, provavelmente resultado da tua constante felicidade na minha rotina, seu sorriso sempre constante trouxe música ao meu dia-a-dia. Mais paciente, nem reclamo mais se recebo aqueles áudios gigantescos em que você faz questão de me contar cada segundo do seu dia, como se o strogonoff de frango que você almoçou fosse de suma importância para eu saber que horas iria ter que te buscar mais tarde. Como você pôde notar eu continuo meio grosso, mas no fundo eu sou fofo. Você mesma me disse isso.

Somos opostos e nessas oposições nós nos entendemos, você sempre animada, topa qualquer coisa, shows, festivais, baladas é só chamar que você vai. Já eu sou mais bar, Netflix e cama, de preferência a combinação Netflix + cama. Você sempre descontraída e despreocupada com tudo e eu aqui, todo metódico, planejado, boa parte dos meus passos são planejados anteriormente, eu sou cabeça e você coração. Você não quer ficar presa, quer ser solteira e foca nisso, eu já passei dessa fase, quero sossegar, sossego é a palavra que me define no momento. Você agitação, eu sossego. Não temos nada a ver, mas ainda bem que o amor é cego né? As nossas oposições nos equilibram.

Achei conforto nos teus olhos, eu andava tão aflito, tão preocupado, você apareceu para me mostrar que a vida pode ser fácil quando vivida à dois. De repente meus problemas ficaram simples e meu preto e branco ganhou cor, comecei a ver graça nas coisas simples e me encantei pelos teus detalhes, pela quantidade de pulseiras que você usa, pelos seus colares e anéis, pelo seu cabelo que eu não consigo decidir se fica mais bonito preso ou solto. Quando solto ele é envolto pelo vento, espalhando seu perfume por todo o recinto, mas ele preso com um coque, te dá um ar adulto, você fica com uma pinta de modelo que me deixa idiota.

Sei que por vezes fui confuso, eu falava que não mostrando que sim, virava à esquerda dando seta para a direita, mas sou assim, estranho, contraditório, me desculpa. Não é por querer. A verdade é que eu ainda não tinha te escrito nada, porque não sabia o que falar. Você me deixava sem palavras, me deixava sem ar, logo eu, sempre cheio de palavras, ficava mudo perto de você. Mas hoje, um domingo às 3:30 da manhã achei as palavras, depois de ouvir o CD inteiro do John Mayer, consegui expressar um pouco, do carinho gigantesco, que eu tenho por você. Carinho muito maior que essas 550 palavras que eu consegui escrever.

P.S.: Aguarde os próximos textos.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor

Curta nossa página! E se você tiver um nos siga no tumblr!

Também estou no Instagram e no Snapchat como @brunoamador

Se você tiver alguma crítica, sugestão, elogio ou só queira falar conosco, mande um email para umquartodepalavras@gmail.com.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s