Primeiro beijo

A minha vida afetiva, assim como boa parte das coisas na minha vida, é uma bagunça. Ela traz consigo histórias de cinema, eu juro que existem coisas que se eu contar, você não acredita que aconteceu, eu tenho relacionamentos que dariam filmes de comédia romântica, mas filmes bons.

Cara eu tenho de tudo, já beijei melhores amigas, já beijei inimigas mortais – na mesma noite e sem saber do ódio – já beijei e esqueci, já beijei e quis esquecer, já me envolvi com duas, com três, já enrolei, já fui enrolado, já tive pedidos de namoro rejeitados e alguns que demorei para fazer, conquistei garotas incríveis que se mostraram completas idiotas e já me arrependi de ter julgado algumas completas idiotas que se mostraram incríveis depois. Já beijei minha melhor amiga, já tive amizades coloridas que deram certo e algumas que deram completamente errados, já acordei sem saber onde estava, já abalei amizades, assim como já construí algumas, já sofri consideravelmente, mas me diverti muito mais, enfim, um caos.

Parte desse caos se deve à minha personalidade, com toda a certeza não sou uma pessoa fácil de se conviver, sou cabeça dura, impulsivo, grosso muitas vezes, sou ansioso, não suporto erros e não entendo como alguém possa errar mais de uma vez, genética vinda do meu pai provavelmente, porém sou compreensivo e modéstia parte, tenho um coração enorme, posso ser doce,calmo e tolerante à pequenos erros, isso vem da minha mãe, não sei desculpar, mas sei pedir desculpas bem até demais, como você pode notar, minha personalidade tem lados opostos que podem se manifestar a qualquer momento. Eu sou um caos.

Outra parte, se deve às mulheres da minha vida e suas respectivas personalidades, além da minha particular capacidade de tornar tudo mais difícil e foi nesse caos que ela apareceu, eu até descreveria aspectos físicos dela, mas aí ficaria muito claro que é pra ela e eu já disse, gosto mesmo é do escuro. Meu coração deu um pequeno baque quando a vi pela primeira vez, óbvio que eu estava um caos quando ela apareceu, pós término de alguma coisa, naquela fase de não quero fazer algo que magoe, mas também não queria fazer papel de otário.

Ela, cheia de problemas e traumas, medo de se entregar e uma mania de ser absurdamente linda em tudo o que faz, ela sorri pondo o cabelo atrás da orelha se escondendo atrás da mecha que cai sob seu rosto, briga comigo me empurrando pra longe enquanto seu corpo vem pra cima de mim, minha vida é um caos. Ela não poderia ser diferente.

Eu a chamava para ir na minha casa, éramos amigos, conversávamos e ríamos da nossa complexidade amorosa, eu tentava buscar brechas entre os lábios dela, mas ela era muito rápida. Ela nunca sabia se queria ir embora ou se queria ficar deitada até seu corpo pedir chega, óbvio que eu fazia de tudo pra segunda opção se concretizar, mas a sua boca era sempre mais rápida que o corpo, ela se levantava antes mesmo de eu conseguir bolar algum argumento pedindo pra ela ficar, até porque, cada vez que eu a via, eu perdia as palavras, irônico isso acontecer, mas ela provocava essas raridades em mim, mulheres como ela fazem esse tipo de coisa comigo.

Nosso primeiro beijo foi aquele beijo que é inevitável, não precisei falar, a troca de olhares nos entregava, toda a nossa vontade estava ali, à mostra para quem quisesse ver, nosso primeiro beijo foi um ato de desistência, desistimos de resistir e nos entregamos ao momento e naqueles segundos, esquecemos de tudo que aquele ato poderia acarretar, esquecemos de qualquer coisa que pudesse impedir o inevitável, ficamos esquecidos ali no fundo da festa, no salão do meu prédio, palco de algumas das minhas discussões monumentais, via ali um novo amor surgir.

Um amor complicado como muitos outros, fruto de uma amizade que resolveu sair do preto e branco, um amor paixão, recheado de tesão e unhas, exalando desejo, provocando calafrios, um amor made in Bruno. Sei que meus finais são sempre marcantes, mas esse será comum, afinal, essa história ainda dará o que falar.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor
Curta nossa página !

Esse texto é parte de uma série de contos chamada Nossa História, os contos serão publicados aos domingos. Espero que gostem da história !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s