Não fique pro café

Embora eu seja apaixonado por ruivas, é um fio do seu cabelo castanho que eu quero ver preso ao meu travesseiro depois que você se levantar. Embora eu prefira ir no bar, eu posso ficar aqui deitado vendo qualquer série ou filme com você, não vou nem olhar a TV, eu quero é te observar a noite toda. Embora eu prefira olhos claros, é na imensidão dos teus que eu quero mergulhar, não importa que eles sejam escuros, contanto que eles sejam teus. Embora eu prefira as baixinhas, aceito de braços abertos você e cada centímetro teu sob meu colchão, faremos caber. Embora eu ame escrever sobre o passado, ultimamente ele anda tão sem graça, não tem você e seus trejeitos por lá.

Mesmo que eu tenha essa mania de sempre tomar banho antes de deitar, se você pedir, eu pulo na cama sem nem por o pijama, pede com jeitinho que eu corto ligações com todas as “estepes” – como você adora chamar as garotas que saio quando você não está – estala os dedos que eu apareço onde você estiver. É duro admitir, mas você me deixou de quatro mulher. Pegou esse coração tão vagabundo e fez ele de gato e sapato, óbvio que fui difícil na queda, fazer você correr atrás era divertido. Antes eu contava sobre as minhas noites – sempre tão extravagantes – pros meus amigos, agora? Virei um mero contador de horas e o relógio insiste em ficar parado quando se trata de você.

Eu não sei o que você fez, é como mágica, você entra no recinto e eu não vejo nada além do teu rosto, ok menti, não consigo tirar os olhos das suas coxas. Você passa por mim só me beliscando, deixando pra trás um sorriso de canto de rosto e o seu perfume. Você me deixa maluco com um simples toque. Como se você me entendesse e soubesse, as muito certinhas me cansam fácil, eu gosto das que provocam, das que me fazem deitar na cama e pensar “como eu faço pra conseguir um beijo dela hoje?”. Mas o melhor é que você não só provoca, você faz questão de colher a semente que plantou, seu beijo me faz ver estrelas.

Você é um grande não sei na minha vida, não sei se é minha namorada, nunca te pedi em namoro, não é só mais um caso porque se eu te ver com outro alguém, te mato. Não é só minha amiga, por motivos óbvios. Não sei se te amo, te amo agora, provavelmente te amarei amanhã, mas você nunca fica muito tempo, sempre arruma seu jeito de escapar. Não sei o que somos, minha única certeza é para onde vamos, pra minha casa. E embora eu nunca tenha te pedido, espero que você fique pro jantar. Café é pouco tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s