Amar Aberto

Ah mar, Que respeita espaços,
Tem suas marés cheias,
Encurrala, sobe um pouco,
Mas sempre volta pro seu lugar.

Aí aí mar,
Tão extenso,
Tão profundo,
Tão desconhecido, ah

Mar revolto,
Quando chove resolve abraçar a areia,
Ah mar,
Tão carente.

Ah mar que arranha,
Ah mar que machuca,
Ah mar que cura,
Ah mar…

Que faz boiar,
Que nos afunda,
Que navegamos,
Que alguma hora nos trás de volta à terra firme.

Arranhado,
Machucado,
Curado,
Inteiro.

Ah mar morto,
Fica longe de mim,
Quero um de fogo,
Ah mar, quero um meu.

Ah mar,
Sempre lotado no verão,
Abrigo de poucos no inverno,
Os de inverno sempre duram mais.

Ah mar,
Me faz esquecer um pouco do mundo,
Deixa eu mergulhar em você, de cabeça,
Desde que você prometa me trazer de volta,

Mas pode demorar,
Dias, semanas, meses, anos.
Ah mar pensando bem,
Me esquece aqui,

Deixa eu aqui,
Deixa eu boiar,
Deixa eu ir lá pro fundo,
Deixa eu amar.

Um amar leve,
Daqueles que me curem da ressaca,
Daqueles que tirem meus pés da areia,
Ah mar…

Um comentário sobre “Amar Aberto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s