O meu gostar

É sereno,
Sempre chega do nada,
Em silêncio
E de repente

Estou gostando,
Ele não é escandaloso,
Nunca chega fazendo barulho,
Mas instaura o caos ao se estabelecer,

Costuma ser duradouro,
Dura meses,
Por vezes anos,
As vezes ele não acaba,

Só o guardo,
Na gaveta,
No armário,
Ou deixo ele quieto,

No meu coração,
É onde meu gostar se manifesta,
O acelera,
O faz parar,

Também me dá borboletas no estômago,
Calor no peito,
Espamos nas mãos
E insônia,

Se um dia meu gostar resolve ir,
Afinal,
“Que não seja imortal,
Posto que é chama”

O deixo ir,
Ele vai embora,
Sempre pela porta de frente,
Sempre com a chave,

Sempre encontrará abrigo se voltar,
Se o quarto estiver ocupado,
Fique na sala,
Sempre cabe mais um.

Gosto de ver meu gostar bem,
Até por isso o deixo ir,
Sei que fiz meu melhor,
E as boas memórias sempre se sobrepõem,

Deixo meu gostar ir,
Pois gosto de gostares novos,
Gosto de primeiros beijos,
Primeiros sorrisos,

Gosto da serenidade que o gostar traz
E nenhum gostar é igual o outro
Nenhum substitui o outro,
Os gostares são incomparáveis,

Existem gostares loiros,
Ruivos,
E morenos,
Sem esquecer dos gostares coloridos,

Esses são os melhores,
São quentes,
São chama,
Pena que não são imortais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s