Claro que recomendo ouvir essa música enquanto ler o texto

Olhava para as estrelas enquanto me falava dos seus planos de vida. Comentou sobre sua casa no futuro, sala grande, recheada de pufes, com dois cachorros e quadros espalhados por todas as partes. O banheiro teria uma banheira grande, porque assim suas pernas ficariam submersas por inteiro, a casa teria caixas de som espalhadas, porque para ela a vida não tem graça se não houver música junto. Queria uma televisão grande pra poder passar a noite vendo filme e um estoque de pipoca na cozinha, a cozinha teria uma ilha recheada de todo tipo de doce, uma espécie de paraíso em meio ao mar de azulejos. O resto da casa teria um piso em madeira, ou carpete, ainda não tinha decidira isso.

E então começou a falar sobre as viagens que queria fazer sorria a cada lugar novo que falava, quer ir para os bangalôs do Taiti e Tailândia, dar uma passada na Indonésia e Singapura. Quer fazer um tour pelas savanas da África, andar pelas ruas de Abu Dhabi, ir num show e Ibiza, quer comer macarronada em Roma, Yakissoba em Xangai e tomar espumante em frente a torre Eiffel, quer observar o Empire State com um cachorro quente na mão, comprar uma cerveja na Alemanha e tomar no Eurotrem indo pra Londres, quer tirar uma foto na Abbey Road e no letreiro de Amsterdam, quer ver Cangurus na Austrália e os Fiordes da Nova Zelândia. Quer conhecer as praias de Punta Cana e Punta Del Este, quer passar frio em Bariloche e nos Andes, apostar em Las Vegas e torrar tudo que ganhou nos outlets de Miami. Quer tomar tequila no México, café na Colômbia e um senhor porre em São Francisco. Ela quer comprar um globo e pintar cada canto do mundo que já conheceu.

Por enquanto se contenta com viagens curtas, final de semana no Guarujá, um mergulho nas águas de Rio Quente, carnaval na Bahia, inverno em Gramado, Corpus Christi em Campos do Jordão ou qualquer outra cidade fria do interior e já está se preparando para as Olimpíadas no Rio. Nunca foi de poupar dinheiro, sempre viveu demais e por consequência acabava com a conta do banco vazia e o rolo da câmera cheio.

Consegue viajar sem sair de casa, já se imaginou no espaço vendo Gravidade, se escondeu de demônios enquanto via Invocação do Mal e viajou por Nova York vendo Gossip Girl. Fecha os olhos e imagina seu jantar em Viena e seu navegar pelas águas de Veneza. Viaja pelos seus lençóis quando está sozinha em casa, deita por horas na cama e deixa a cabeça ir para as nuvens. Gosta de dias ensolarados e do calor que os raios do Sol produzem ao encostar na sua pele, se irrita com gente morta, ela gosta de viver. Não suporta ficar por horas parada tomando Sol, precisa se movimentar, nadar na piscina, andar na praia, correr em algum parque. Seu corpo reflete seus hábitos, pode não ser a pessoa mais em forma do mundo, mas nunca fará feio de biquíni. Precisa estar pronta para as longas caminhadas que planeja dar por Barcelona um dia.

Ela só quer viajar…

A post shared by Um Quarto De Palavras (@umquartodepalavras) on

O único problema dela é na hora de arrumar a mala, pensa em todas as possibilidades e se fizer um dia de frio no meio do verão? Então coloca um casaco. O tênis para corrida sempre está lá, embora nem sempre use. Sua almofada de pescoço é sua fiel companheira, precisa lembrar da escova de dente e dos mil cremes para o cabelo, rosto e corpo. Xampu, condicionador e sabonete de rosto também são essenciais. Maquiagem, só um estojo 15×21 levando o básico, não sabe se irá sair. Leva uma saia e uma jeans rasgada, as duas peças são coringas para usar a noite, combinam com praticamente qualquer ocasião. Precisa de ajuda para fechar a mala na ida e coloca roupas na bolsa de mão na volta, porque elas nunca cabem de novo na mala. “É magia, parece que as roupas engordam quando eu vou guardar elas”, ela diz.

Suas roupas refletem sua aura, sempre passam a sensação de leveza e simplicidade, sem perder a elegância, sem perder a beleza. Ela é bela, seu sorriso traria Sol para Londres; seu toque, paz para Faixa de Gaza e sua voz, calmaria para o caos de Mumbai. A lua iluminava seu rosto e as estrelas se refletiam nos seus olhos quando ela parou de falar. Suspirou para recuperar o ar depois de tanto falar e perguntou “e você, pra onde quer ir?”, respondi olhando pra cima com um sorriso meio bobo: “você acha que cabe mais um nesses planos?”. Ela sorriu e respondeu que só deixaria eu ir se fizesse uma playlist legal pro carro. Garanto que vai ter John Mayer.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor

Curta nossa página! E se você tiver um nos siga no tumblr e Instagram (umquartodepalavras).

Também estou no Instagram e no Snapchat como @brunoamador

Se você tiver alguma crítica, sugestão, elogio ou só queira falar conosco, mande um e-mail para umquartodepalavras@gmail.com.

Bruno Amador