Reparei que faço muitos textos sobre a tua aparência mas nunca fiz um sobre a tua personalidade.

Logo, resolvi escrever. Então senta, respira fundo porque nesse texto vou mostrar ao mundo o quão singular você é.

Sem saber muito bem por onde começar, decidi apresentar ao público o primeiro aspecto teu que conheci. Tua simpatia. O sorriso no teu rosto não saia por um segundo enquanto conversava contigo, era como se eu realmente fosse engraçado, os olhos atentos em mim, não desviavam nem por um segundo prestando atenção em todas as palavras que saíam da minha boca. Você era falante e em pouco tempo começou a me contar da tua vida, das tuas indecisões e confusões, mas isso ficará para os próximos parágrafos.

Porque nesse, falarei sobre a tua timidez. Já conheci garotas tímidas e isso nunca tinha sido empecilho. Na cara de pau conseguia contornar esse problema e acabava transcorrendo sem grandes dificuldades a minha vida. Mas, pra variar, contigo foi diferente. Quando nos conhecemos melhor e os teus fios de cabelo começaram a dar às caras nas minhas linhas você simplesmente travou. Não conseguia responder, demorava e até cheguei a pensar que isso fosse uma forma de se afastar. Não era.

Bastava os meus olhos encontrarem os teus que as tuas bochechas ficavam no mesmo tom de vermelho das minhas quando bebo. Seu sorriso tentava ser contido e isso me cativou de uma forma fora do comum. Sempre tive um apreço por pessoas singulares e nunca conheci alguém tão singular quanto ti.

Tão diferente foi o teu jeitinho de entrar na minha vida.

Sem fazer muito alarde ou cobranças, veio devagar. E de pouco em pouco foi se apossando de pequenas partes do meu dia a dia. Admito que a semana perde um pouco a graça se eu não tiver um dos seus áudios de 1:30.

Tão complicada. Teu sim é um não, teu não é um sim e o talvez dependendo do dia varia do “quero muito” pro “some da minha frente”. Sempre a última a entender a piada e os jogos alcoólicos, paladar chato pra bebida, não encosta em cerveja e a vodca precisa estar imperceptível para ter a chance de entrar no teu organismo. Acredito que com o tempo isso irá mudar, deixaremos ele agir.

Indecisa como poucas pessoas que conheci, em um ano teu curso saiu de direito, publicidade, relações públicas, internacionais e agora só Deus sabe onde parou. A tua única constância nisso tudo foi a vontade de alguma forma ajudar o próximo.

O teu coração é enorme. E não to falando isso só por falar, como aqueles elogios falsos, é verdade mesmo. Nele cabe uma penteadeira, nós dois e uma cacetada de vida inteira que você ajudou pelo caminho.

Você é singular, mas basta eu adicionar uns carinhos na adição pra virarmos plural. Não que isso seja fácil, só que depois de tanto tempo a gente começa a aprender os caminhos tortuosos pra chegar na tua boca.

Você é singular e das tuas peculiaridades te faço poema, prosa e – quando ninguém tá olhando – minha.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor. No Instagram e Snapchat: @brunoamador

Bruno Amador