Em meio ao estresse causado por notas perdidas e tempos perdidos pra se estudar, ela mostrou-se uma luz no fim do túnel.
A faculdade seria o inferno necessário que todos temos que passar. E no meio disso tudo, chega a vida adulta te dando novas opções de como sofrer diante da incerteza. Pareceria um fardo e um problema muito grande, mas a flor da esperança nasce, ás vezes, debaixo de uma sala de aula qualquer.
E num andar descompromissado por meio dos corredores, ali avistava-se uma beleza incomparável. Os professores talvez, discordariam de mim ao dizer que ela era mais interessante que as aulas. Isso não era uma crítica, mas uma aceitação de que até as aulas boas perdiam pra sua atenção.
O fato de acordar cedo todos os dias, passar por chateações pra chegar ao campus, pegar trânsito, gente fedida no busão, nada disso importava e nada disso cabia como peso na balança. Vê-la todo dia tornou-se uma parte da diversão de minha vida.
E mesmo quando ela sentava longe, ainda conseguia me hipnotizar. Ela tinha aquele jeito de intelectual, fazia perguntas cabíveis e no timing certo, andava sempre com o famoso livro debaixo do braço.
Aquilo era a perdição.
Além disso, era dona de um corpo fora do comum. Você poderia ver todas as suas curvas, mesmo por baixo do blusão da atlética.
Ela passava por cima de D’s e F’s, sabia como lidar com os professores menos amigáveis, era a liderança dos trabalhos em grupo, participava de atividades e do time de vôlei.
Tudo isso ao seu lado, enquanto você nem mesmo fazia ideia de como conciliar tudo isso em um dia.
Por meio de andanças no DCE, conversas nos bancos dos treinos da bateria, todos sabiam quem ela era.
A dona da beleza mais linda dos cursos. E quem discordasse, provavelmente não estudava por lá.
Os garotos compravam convites para as festas só pra vê-la, sua força de vontade em alcançar seus objetivos era, talvez, a coisa mais bonita que existia nela. E nossas conversas não passavam de monossilábicas. Embora isso, para mim, fosse o suficiente.
Ela torna tudo mais fácil num ambiente meio hostil, com sua aura angelical por cima dos livros. Ela traduz a felicidade dos momentos de descontração em festa e bebidas noturnas. Ela é universitária, e ainda não sabe muito sobre a vida, mas sabe o bastante pra nos deixar sem saber como reagir.

Lucas Fiorentino – clique para me conhecer melhor.

Siga-me no Snap como @fioritos ou no Instagram como @lucasfiore_ !

Lucas Fiorentino