Acordou e sentiu o Sol tocar seu rosto, se enrolou no lençol enquanto as horas passavam lá fora. Deixou o mundo girar enquanto o dela ficou parado, quis sentir a sutileza de um beijo de bom dia com gosto de suco de laranja. Esboçou um sorriso sem graça ao receber um elogio e desfilou pela casa descalça usando uma blusa larga, deixando de fora suas pernas que caminham pela casa, nos pés optou por meias soquete ao invés de chinelos.

Lava o rosto e se troca em um piscar de olhos. Com uma saia e e blusa estampadas prova que não existe nada nesse mundo que não possa ser aperfeiçoado. A blusa deixava à mostra seus ombros que eram recobertos por alguns fios de cabelo que às vezes prendia no seu colar. A saia contornava sua silhueta trazendo à tona a miscigenação brasileira, provando porque as mulheres daqui são as mais bonitas. A rasteirinha complementou seu visual e ela mostrou ao mundo como o simples pode ser elegante.

Cumprimentou o porteiro antes de sair e com um sorriso no rosto agradeceu à caixa da padaria depois de pagar o seu café. Levava aonde ia um pouco de felicidade, era como se as coisas começassem a funcionar somente a partir do momento em que ela passasse, era cena de cinema o jeito que ela caminhava pelas ruas equilibrando o celular em uma mão, os óculos escuros e o copo de café em outra. No meio de tanta monocromia ela quis ser aquarela e saiu por aí colorindo o dia de todos que a viam passar.

Fazia Sol e era visível a sintonia que ela e o astro compartilhavam, ambos se entendiam, sua pele reluzia a luz que ele emitia, mostrando que a Terra, ao menos naquele momento, tinha duas estrelas. Suas roupas leves, balançavam com a brisa, revelando alguns centímetros da sua coxa, o suficiente para que ela segurasse a saia com um riso sem graça no rosto. Nasceu na cidade, mas carrega consigo um pouco do espírito praiano, chinelos e sandálias são peças fundamentais na sua mala de roupas.

O colorido das estampas complementam o seu sorriso, a leveza do tecido transmite o peso da sua alma e faz com que o vento balance a sua saia enquanto esvoaça seu cabelo. Ela é praia no asfalto, é flor que desabrocha em pedra, é Sol em dia nublado. Ela é infinita e tem um pouco de alegria para dar à todos que a cercam. Esteja por perto sempre.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor

Curta nossa página! E se você tiver um nos siga no tumblr e Instagram (umquartodepalavras).

Também estou no Instagram e no Snapchat como @brunoamador

Se você tiver alguma crítica, sugestão, elogio ou só queira falar conosco, mande um e-mail para umquartodepalavras@gmail.com

Bruno Amador