Meu problema com amor

Sempre foi meio sem jeito

Não sei se o guardo contigo

Ou se o deixo em meu peito

Sempre fui meio inquieto

Impaciente, seguindo a intuição

Não houve espaço pra discurso aberto

Muito menos pra alguma reflexão

A gente se prende em tanta coisa

Se prende em tentar amar

As coisas que não se amam

E nem se deixam tocar

Corre atrás do que corre pra longe

Procura o que se esconde

Chora pelo que não liga

Mora não se sabe onde

E nesse vai e vem

De amores roubados e quebrados

Somos frágeis cacos de vidro

De um coração machucado

Torno a dizer em silêncio

Com a força do meu pensamento

Que a tristeza da criatividade

É a dor do meu desalento

E na alma que você cuidou

Por tanto tempo, vezes tantas

Hoje guardo o seu sorriso

Porque meu coração se encanta.

Lucas Fiorentino