Nunca fui boa em mandar mensagens, quem dirá escrever uma carta.. Então resolvi aparecer em forma de texto, quem sabe um dia você lê e se encontra nas linhas tão claras, afinal, esse meu vazio tem seu nome estampado em todas as minhas emoções.

Até hoje não sei o motivo da sua ida, mas não te culpo por me deixar. Fiquei vulnerável, achei que não iria conseguir continuar e enfrentei dias e dias. Meu coração se tornou flor, eu que era cheia da razão estava entregue, entregue a ti.

Busquei de todas as maneiras fugir de cada centímetro de todo sentimento que criei por você, mas quanto mais eu tentava escapar.. Eu me alinhava ao seus trejeitos e não conseguia encontrar em outros abraços o encaixe perfeito que o seu tinha. Nenhuma das ligações, ou áudios tinham a sua voz, mas eu insistia em te encontrar novamente, mesmo que em outras pessoas.

No fundo eu devia te culpar, afinal, eu estava no meu mundo e você apareceu querendo me fazer acreditar em amor, tomou minha confiança e me levou contigo para esse seu universo onde todo sentimento é válido, fez minha razão perder todo sentido, se tornou minha única direção, meu ponto de equilíbrio.

O meu medo se perdia toda vez em que você olhava no fundo dos meus olhos e sem dizer nada me fazia sentir que era real, que iria valer a pena cada segundo do que estávamos passando.
Confesso que hoje sinto a sua falta, mas aprendi a conviver com a sua ausência. Não vou mentir, ainda espero qualquer sinal da sua parte e toda vez que recebo uma mensagem, tenho esperanças de ler seu nome no visor do meu celular. Hoje aprendi a viver com a saudade, e espero torná-lá em algo maior, superação quem sabe.

Terei a certeza que te esqueci, quando outro amor superar o seu e já sei que vai ser real. Sem pressa alguma, vivo todos os dias em plena calmaria, acreditando que onde quer que você esteja, ainda pensa em mim, talvez de outras maneiras e com outros olhares, mas carregando a certeza que em meio ao caos, você conseguiu me redescobrir e hoje te prometo: não me perco nunca mais.

Luiza Horiy

Bruno Amador