Era inverno e ele usava bermuda, para mostrar sua nova tatuagem na panturrilha. Ele era de Leão, gostava de aparecer.

Era sempre quem entrava na festa, me puxando pela mão, cumprimentando todo mundo, e segurando seu copo de cerveja o tempo todo. Eu que vinha atrás, lançava um sorriso tímido, e mal falava, um copo de água estava bom para mim. Eu era de Peixes, sabe, tímida.

O sorriso dele cativava, iluminava todo o lugar, eu, que mal mostrava os dentes, ficava impressionada com o tanto de pessoas que se reuniam em sua volta enquanto ele falava, ou tocava o violão.

A nova tatuagem bem que fez sucesso na festa, os pelos arrepiados de sua perna agradeciam pelo sacrifico, afinal, ele era de Leão, gostava de aparecer.

Algumas meninas comentavam enquanto ele tocava, ele retribuía esse olhar, e piscava uma vez ou outra, mas tudo bem, eu não posso culpa-lo, ele era de Leão, gostava de aparecer.

Eu preferia ficar no meu canto, observando o espetáculo de longe, eu não costumava ligar para os flertes dele com as garotas da festa, depois de toda a atenção que ele chamava, era na minha cama que ele dormia, e era a mim que ele chamava de amor, eu não precisava provar isso para ninguém. Eu era de Peixes, sabe, tímida.

A noite foi passando, enquanto ele interagia com a festa inteira, uma alma de artista, um jeitão exibido, eu continuava na minha, preferia ficar assim. Ele não gostava muito de mim interagindo, dizia que não fazia meu tipo, que esse não era meu jeito, porque eu era de Peixes, sabe, tímida, e ele era de Leão, gostava de aparecer. Essa era a ordem natural das coisas, ele dizia, senão seriamos todos iguais, e, isso não teria a menor graça, ele dizia.

Era quatro da manhã, eu estava com sono, mas ele me pediu para esperar, desde as duas, eu esperei. Afinal, eu não gostava muito de festas, e ele era a estrela delas. Ele era de Leão, gostava de aparecer. E eu era de Peixes, sabe, tímida.

Fui procura-lo na cozinha, ele não estava, procurei a casa toda, até que o encontrei beijando uma outra garota, a que recebeu a piscadela enquanto ele cantava. Ele estava beijando outra garota. De novo.

Ele tentou explicar, dar uma razão, achar um motivo, ele procurou uma desculpa em sua cabeça, até que achou a forma perfeita de me convencer. Eu sou de Leão, gosto de aparecer. E você é de Peixes, sabe, tímida.

Mas você quer saber? Que se dane essa merda de signo!

Ele era só um babaca, gostava de trair.

E eu não era mais ingênua, sabe, rasguei meu mapa astral.

Eduarda Germano

Eduarda Germano