De tanta insignificância,
De promessas em vão,
De mentiras,
De gente maluca
De brigas infundadas
De injustiças.
Do ciumes,
Do orgulho,
Dos joguinhos,
Dos draminhas
Dos beijos únicos,
Das disputas
Das noites que não viram dias,
Da singularidade.
Da mesmice,
De dizer o mesmo discurso,
De provar o que é óbvio,
De ser desvalorizado,
De ser posto em segundo plano,
De às vezes nem ser um dos planos,
De semanas de conversas,
De desculpas esfarrapadas,
De exageros em baladas,
De baladas,
De me esforçar,
De correr atrás,
De tentar, 
De fazer muito,
De receber pouco,
De domingos sozinho,
De sextas lotadas,
Das mesmas pessoas,
Do desinteresse,
Da indiferença,
De não fazerem a diferença,
De me decepcionar,
De apagar conversas,
De excluir fotos,
De excluir contatos,
Do vazio em portas retratos,
Do vazio na cama,
Do vazio no banco do passageiro,
De não dividir a conta,
De esperar mensagens,
De esperar ligações,
De esperar.
De me arrumar,
De acabar em casa,
De ficar bêbado,
De não ter ninguém pra cuidar,
De não ter inspiração,
De você,
De escrever.
Cansei.

Bruno Amador – clique para me conhecer melhor

Curta nossa página! E se você tiver um nos siga no tumblr e Instagram (umquartodepalavras).

Também estou no Instagram e no Snapchat como @brunoamador

Se você tiver alguma crítica, sugestão, elogio ou só queira falar conosco, mande um e-mail para umquartodepalavras@gmail.com.

Bruno Amador