Ele é aquele tipo de pessoa que é um capeta, irá fazer de tudo pra te provocar a cada instante do dia e de alguma forma ele consegue ser fofo, arrancando uma mistura de suspiros com mordidas de lábio, ele também é grosso, te irrita e com uma frase quebra toda a irritação, essa é a graça dele, ele não é linear, vive entre os extremos e consegue conciliar isso de uma maneira única e encantadora, não é o tipo de pessoa que atrai olhares ao entrar no recinto, mas é do tipo que arranca sorrisos depois de uma conversa.

É o tipo de pessoa que vai te levar pro canto e te jogar na parede e alguns minutos depois pode te por pra dormir sob seu peito, ele não é 8 ou 80 ele é 1 ou 1000, pode ficar horas deitado ao seu lado no sábado ou horas de pé numa balada e consegue fazer ambos seres igualmente divertidos pelo simples fato dele estar ali, tem dias que eu não tô com o menor saco pra sair de casa, mas ele tem um jeito só dele de insistir que sempre me convence a fazer coisas que eu não faria normalmente.

Ele sempre vai ter alguma ex atrás dele, assim como várias piriguetes, mas ele não dá bola pra elas, não enquanto estiver com você, ele conquista sua confiança em questão de horas e mesmo assim você nunca irá confiar em si mesma enquanto estiver perto dele, ele tem alguma coisa que me formiga o corpo cada vez que o vejo, talvez seja o sorriso, talvez seja o jeito que ele escreve, o sotaque carioca ou até a gagueira dele, mas ele tem algo.

Ele não é estudioso, de jeito nenhum, ele passa o dia vendo série e mesmo assim ele consegue me ensinar sobre tudo, menos física, física não dá. Ele pode passar horas te explicando a mesma coisa, ele é paciente, ele não vai ter saco nenhum pra esperar você se arrumar, ele é impaciente, ele sempre vai te elogiar no minuto que você entrar no carro, seja com um você tá linda, ou com um e aí gostosa, ele é único.

Ele não vale nada, nadinha, mas mesmo assim, não o deixaria ir embora nem por todo dinheiro do mundo, ele é único, vale platina, na verdade ele vale algo que quase ninguém vale hoje em dia, ele vale a pena.
Ele não é perfeito e ainda bem, isso o torna humano, ele se irrita, ele erra, ele pisa na bola, já pensou se ele não fizesse nada disso? Meu deus ele não existiria.

Ele é isso tudo e ainda é humilde o suficiente pra reconhecer culpa, pra pedir desculpa e os pedidos de desculpas dele são irrecusáveis. Ele é aquele cara que daqui alguns anos você vai lembrar com um sorriso no rosto e dizer, esse, eu não devia ter deixado ir.

Bruno Amador